A saudade... de uma tesoura

 



Uma tesoura na secretária. Isolada em si. Ninguém se recorda da sua existência, apesar de ter sido claramente útil em outros tempos. A falta que se prende nesse objecto cortante é a angústia de quem sente uma saudade intransponível.
Afiado, ainda, esse objecto solitário pousado numa mesa vazia. A solidão que a preenche completa-se no modo metálico que se rasga em dois. Num grito mudo pede o colo a que já não tem direito. Essa autorização levou-a a infância macia de uma anatomia perdida. Mesmo que se mantenha acerada e prestável, a falta de se sentir em falta apenas a si lhe assiste. Não há tempo que lhe traga a fraqueza de um adeus inevitável e para sempre esquecido. Não por si que deseja cortar, golpear, lacerar, sulcar de novo, nem que seja por um segundo... não muito rápido.

Sem comentários:

Enviar um comentário